Bing ou Google: qual o maior e mais rápido?

bing-google Diante do novo concorrente que surgiu para tentar desbancar o Google de seu pedestal quase divino, vale fazer algumas reflexões sobre o Bing – o buscador da Microsoft – e se este terá capacidade para brigar de fato, mostrando alguma força real. Muitas dúvidas surgem e se vemos o passado e a história de outros tantos que tentaram, todos, sim, todos falharam e não se mostraram capazes de vencer a dinastia Google.

 

O Bing chegou ao mercado a poucos dias, com um investimento direto de 100 milhões de dólares (em números e cifras para ver o quanto isso é: US$ 100,000,000.00) para lutar contra a hegemonia que a Google tem do mercado nos últimos anos. Se é pra tratar de hegemonia, então temos a primeira vez uma marca hegemônica lutando contra outra.

 

De dominar mercados a Microsoft entende bem, pois faz isso no ramos de sistemas operacionais para PC há umas três décadas. Já a Google, que está num mercado relativamente novo, a internet, domina isso há uma década. Todas as duas empresas são extremamente ricas e geniais em tudo o que fazem. Você pode odiar o Windows ou o Internet Explorer, mas tem que admitir que a Microsoft não chegou onde está criando produtos ruins. E a Google não fica atrás, ganhando no fato de ter a simpatia e a aprovação de praticamente 100% dos usuários.

 

Leia para saber como indexar seu conteúdo no Google e no Bing para gerar mais visitas para seu Blog:

 

Mas, sobre os mecanismos de busca, encontrei alguns artigos que mostram que o Google não vai cair fácil e há quem aposte que continuará dominando e o Bing vai entrar para a lista de derrotado (mas um derrotado muito rico). Vejamos alguns motivos:

 

Basta começar pensando no tamanho do banco de dados que o Google acumulou nesses anos vasculhando a internet e classificando seu conteúdo, indexando páginas, palavras-chave, notícias e serviços, bem como aprendendo com o uso cotidiano de milhões de pessoas. Isso tornou seu algoritmo, a fórmula que o buscador usa para classificar os conteúdos encontrados, um grande segredo industrial, quase mágico.

Tem uma velocidade incrível para encontrar novos conteúdos e rapidamente classificar e colocar em ordem de acordo com o que as pessoas realmente buscam.

 

Já o novo Bing tem mostrado realmente que não consegue, não neste momento, acompanhar a velocidade do Google e tenta correr por fora oferecendo serviços que promovam uma experiência mais concreta em se encontrar resultados. Mesmo assim, estando em uma versão que dizem ser “Beta”, em fase de desenvolvimento, essa diferença no banco de dados determina a qualidade dos resultados que encontramos e a quantidade de páginas que estão indexadas.

 

Acredito que o Bing pode, se persistir, atingir um alto grau de eficiência e oferecer serviços novos. A força econômica da Microsoft mostra que sempre foram capazes de revolucionar mercados e desenvolver grandes idéias. Ter dinheiro para gerar desenvolvimento é uma questão fundamental.

Poder econômico o Google também tem, não vamos esquecer.

 

O Alexis Kauffmann do GehSpace, fez alguns testes interessantes que mostram a diferença da base de dados indexadas, neste momento, para os dois buscadores. Usando uma idéia simples, procurou por alguns sites e seu links diretos, o que e quanto cada buscador encontra de um determinado endereço e o Google vence esmagadoramente em todos os casos:

 

site:blogspot.com
Google: 313.000.000
Bing: 1.730.000 (0,5%)

site:twitter.com
Google: 89.400.000
Bing: 9.950.000 (11,1%)

 

Você mesmo pode fazer suas comparações usando esse site que busca nos dois mecanismos ao mesmo tempo: Bing & Googlehttp://www.bingandgoogle.com/.

 

O que a história e os fatos nos dizem.

Outros tantos já tentaram fazer o mesmo, até ex-funcionários do Google, saíram e tentaram criar um buscador concorrente. O Google tirou de mercado, quando ainda estava começando, outros serviços que acreditávamos serem fortes e estabelecidos, como o AltaVista (foi o primeiro buscador que usei, quando entrei na internet pela primeira vez, ainda em 1996).

 

Rafael Perrone do Fazendo Acontecer, diz o seguinte:

 

“Esta guerra viu duas batalhas recentes. Uma foi o lançamento do site Cuil, em julho de 2008. A outra foi o Wolfram Alpha, que não é uma ferramenta de busca como conhecemos, mas também foi divulgada ao extremo.
(…)A razão de tanta disputa neste mercado não poderia ser outra: dinheiro, muito dinheiro. Estima-se que a indústria de propagando online ultrapasse a marca de US$ 25 bilhões em 2009.”

 

E faz uma análise completa e bem instrutiva, justificando porquê não acredita que o Google vá perder seu lugar tão facilmente. O autor defende algo que é fundamental nessa briga toda: a Google não está parada. Se seus concorrentes estão desenvolvendo para chegar onde o Google está, a Google continua reinventando e reformulando e criando cada vez mais.

 

Para nós, usuários médios, a grande maioria dos internautas, toda concorrência é bem vida, pois promove claramente uma melhoria para os serviços que usamos e queremos sempre o melhor. é bom acompanharmos essa disputa de perto, especialmente porquê somos afetados um pouco mais que a maioria, já que temos o interesse de ter bem indexados nossos blogs e sites nos resultados de todo e qualquer buscador, não importando quem vai vencer essa briga.

 

Fontes:
Compare Resultados entre Bing e Google
Por que o BING não vai roubar um mercado significativo do Google?
Google, Bing e a batalha das ferramentas de busca – uma análise

.

8 Comentários

  1. Eu fiz algumas buscas pelo BING, a parte visual achei legal, mais acredito que tem que melhorar bastante, pois alguns conteudos apaecem na pesquisa que não tem nada a ver na busca.

    Responder

  2. Eu achei o Bing muito enxuto. Parecia que queria imitar o Google. Se ele não colocar muitas propagandas e sempre produzir conteúdo novo, pode ser que ele venha ser um concorrente de peso para o Google

    Responder

  3. Pelos teste que fiz, achei os resultados trazidos pelo Google mais relevantes, mas o Bing não ficou tão atrás assim.

    A minha impressão é que a diferença básica entre os dois está na estratégia adotada. O Google sempre teve uma interface muito simples e limpa e muitos indicam que este é um dos seus fatores de sucesso. Para fornecer resultados customizados, ele cria ferramentas auxiliares, como o Google Scholar, Google Book Search, Froogle, Google Code Search e vários outros.

    Já o Bing apresenta uma solução única que procura trazer tudo junto, como é o caso dos recursos de viagens, vídeos e fotos e várias opções na barra lateral. Isso deixa a interface mais confusa, mas é uma alternativa.

    É difícil dizer qual das estratégias se sairá melhor. Fato é que, até hoje, a simplicidade do Google tem vencido. Tecnologicamente, acho que a diferença hoje é pequena e tende a diminuir.

    Prova da força do Bing são os rumores de que o próprio Sergey Brin, co-fundador do Google, está liderando uma equipe de estudos do seu novo concorrente.

    Responder

  4. Olá, pessoal!

    Já tem um site no brasil que faz isso é o: BingeGoogle.com.br
    O primeiro site de busca híbrido do Brasil. Ele Pesquisa no Bing e no Google simultaneamente!

    Responder

  5. Sou mais google muito mais simples e prático .AXU que 99% nao ligam muito para os graficos do google ja que o que interessa é o conteudo
    todo mundo que conheço só usa google
    O bing pode ficar ótimo mas na minha opinião nao destronaria o google

    Responder

Deixe um comentário

Ao comentar você concorda com nossa Política de Comentários.